Atrofia Muscular Espinhal (AME) / Terapia de Células-Tronco

Encontre o melhor tratamento de células-tronco para Atrofia Muscular Espinhal (AME)
Global Stem Cells - Spinal Muscular Atrophy

A Unique Access fornece acesso a um extenso protocolo de tratamento para Atrofia Muscular Espinal (AME) tipo 2 e 3, que utiliza apenas as melhores células-tronco, melhora imunológica, dieta, reabilitação extensa, e muitas terapias de suporte e suplementos. Esta combinação eficaz das mais avançadas tecnologias médicas com medicina funcional tem ajudado pacientes a alcançar melhorias significativas.

Por que as Células-Tronco funcionam para Atrofia Muscular Espinhal (AME)?

A terapia com Células-Tronco é considerada um método alternativo para o tratamento da Atrofia Muscular Espinal (AME) e outros distúrbios neurodegenerativos. Transplante de células tronco é uma estratégia terapêutica potencial não apenas através de substituição de células, mas também por uma modificação do ambiente extracelular de neurônios motores, através de um efeito trófico e neuroprotetor. Uma variedade de fontes de células têm sido considerados para terapia celular.

Muitos dos pacientes tratados apresentaram importantes melhorias na função motora, tônus muscular e força, fala e deglutição, equilíbrio e coordenação e habilidades motoras finas e grossas. Além disso, também houve uma significativa redução na progressão da doença após o tratamento com células-tronco.

Mecanismos

Células-tronco mesenquimais (CTMs) são células-tronco multipotentes muito atrativas para terapia celular de AME devido a sua grande plasticidade e sua capacidade de proporcionar ao tecido hospedeiro com fatores de crescimento e de modular o sistema imunológico do hospedeiro.

O transplante de células-tronco mesenquimais (CTM) aumenta a sobrevivência de neurônios e impede gliose, já que a microglia e os astrócitos são ambos o alvo e causa da neuroinflamação, as células-tronco mesenquimais (CTMs) podem resgatar os neurônios e oligodendrócitos de apoptose através da liberação de moléculas tróficas e anti-apoptópticos, resultando na indução de um microambiente neuroprotector.

Além disso, Células Tronco Mesenquimais (CTMs) podem promover a proliferação e maturação de células precursoras neurais locais, levando a sua diferenciação em neurônios maduros e oligodendrócitos.

Melhorias

Pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME)  tratados com células-tronco geralmente observam melhorias nas seguintes áreas:

  • Função Motora
  • Equilíbrio
  • Tônus muscular e força
  • Coordenação
  • Dor Neuropática
  • Fadiga
  • Tremores
  • Fala
  • Habilidade motora fina e grossa
  • Deglutição
  • Diminuição da progressão da doença e mais

Nossa Promessa

Acreditamos que sempre há uma esperança real e que os pacientes merecem ter acesso a um tratamento eficaz e seguro. Somos independentes, com um departamento médico interno. Combinamos o serviço de hospitais internacionalmente reconhecidos com tratamentos de última geração, produtos únicos e serviços que são integradores e eficazes para assegurar que o tratamento tenha o melhor resultado possível.

Sobre as Células Tronco que utilizamos, garantimos que o paciente receba a célula tronco correta e necessária no que diz respeito a qualidade, quantidade e viabilidade. Nosso parceiro exclusivo de pesquisas garante uma viabilidade celular de 95%, sendo que muitas injeções chegam a supreendente viabilidade de 98%-99%.

Garantimos que o paciente receba os medicamentos, terapias de apoio, reabilitação, desintoxicação e programas de aumento do sistema imunológico necessários para tirar o maior proveiro das células-tronco.

  • Oxigenoterapia hiperbárica (OTH)
  • Acupuntura
  • Terapia Aquática
  • Tratamento de Fisioterapia
  • Terapia Ocupacional
  • Estimulação Magnética Transcraniana (EMT)
  • Tratamento de Oxigenação
  • Gotas de Vitamina por Injeção Intravenosa
  • Suplementos que Aumentam o Sistema Imunológico (ex. GcMAF)
  • Planos de Dieta Especializados & Consultas

O tratamento será realizado em um hospital terceirizado reconhecido internacionalmente, e não em um hotel ou uma clínica. Isto é importante para a segurança e cuidado do paciente, já que o paciente terá acesso a todos os departamentos especializados e a todos os médicos especialistas, o que aumentará a eficácia de tratamento.

Os melhores tratamentos com células-tronco disponíveis via globalstemcells.com

Global Stem Cells - List of improvements

O que é Atrofia Muscular Espinhal (AME)?

Atrofia Muscular Espinhal (AME) é uma doença hereditária que afeta os neurônios motores da medula espinhal.

Os neurônios motores controlam os movimentos musculares voluntários no corpo, assim, a Atrofia Muscular Espinhal (AME) resulta na degeneração significativa e fraqueza muscular, afetando o tônus muscular, o equilíbrio e a coordenação.

  • “Motor neuron diseases”. Archived from the original on April 28, 2009.
    Retrieved 2009-06-02.
  • Main, M.; Kairon, H.; Mercuri, E.; Muntoni, F. (2003). “The Hammersmith Functional Motor Scale for Children with Spinal Muscular Atrophy: A Scale to Test Ability and Monitor Progress in Children with Limited Ambulation”.
    European Journal of Paediatric Neurology 7 (4): 155–159. doi:10.1016/S1090-3798(03)00060-6. PMID 12865054.
  • Krosschell, K. J.; Maczulski, J. A.; Crawford, T. O.; Scott, C.; Swoboda, K. J. (2006). “A modified Hammersmith functional motor scale for use in multi-center research on spinal muscular atrophy”.
    Neuromuscular Disorders 16 (7): 417–426.
  • O’Hagen, J. M.; Glanzman, A. M.; McDermott, M. P.; Ryan, P. A.; Flickinger, J.; Quigley, J.; Riley, S.; Sanborn, E.; Irvine, C.; Martens, W. B.; Annis, C.; Tawil, R.; Oskoui, M.; Darras, B. T.; Finkel, R. S.; De Vivo, D. C. (2007). “An expanded version of the Hammersmith Functional Motor Scale for SMA II and III patients”.
    Neuromuscular Disorders 17 (9–10): 693–697.
  • Glanzman, A. M.; O’Hagen, J. M.; McDermott, M. P.; Martens, W. B.; Flickinger, J.; Riley, S.; Quigley, J.; Montes, J.; Dunaway, S.; Deng, L.; Chung, W. K.; Tawil, R.; Darras, B. T.; De Vivo, D. C.; Kaufmann, P.; Finkel, R. S.; Pediatric Neuromuscular Clinical Research Network for Spinal Muscular Atrophy (PNCR) (2011). “Validation of the Expanded Hammersmith Functional Motor Scale in Spinal Muscular Atrophy Type II and III”.
    Journal of Child Neurology 26 (12): 1499–1507.
  • Dubowitz, V. (2009). “Ramblings in the history of spinal muscular atrophy”.
    Neuromuscular Disorders 19 (1): 69–73.
  • Brzustowicz, L. M.; Lehner, T.; Castilla, L. H.; Penchaszadeh, G. K.; Wilhelmsen, K. C.; Daniels, R.; Davies, K. E.; Leppert, M.; Ziter, F.; Wood, D.; Dubowitz, V.; Zerres, K.; Hausmanowa-Petrusewicz, I.; Ott, J.; Munsat, T. L.; Gilliam, T. C. (1990). “Genetic mapping of chronic childhood-onset spinal muscular atrophy to chromosome 5q11.2–13.3”.
    Nature 344 (6266): 540–541. Bibcode:1990Natur.344..540B
  • Jędrzejowska, M.; Milewski, M.; Zimowski, J.; Borkowska, J.; Kostera-Pruszczyk, A.; Sielska, D.; Jurek, M.; Hausmanowa-Petrusewicz, I. (2009). “Phenotype modifiers of spinal muscular atrophy: The number of SMN2 gene copies, deletion in the NAIP gene and probably gender influence the course of the disease”.
    Acta Biochimica Polonica 56 (1): 103–108.
  • Su, Y. N.; Hung, C. C.; Lin, S. Y.; Chen, F. Y.; Chern, J. P. S.; Tsai, C.; Chang, T. S.; Yang, C. C.; Li, H.; Ho, H. N.; Lee, C. N. (2011). Schrijver, Iris, ed. “Carrier Screening for Spinal Muscular Atrophy (SMA) in 107,611 Pregnant Women during the Period 2005–2009: A Prospective Population-Based Cohort Study”.
    PLoS ONE 6 (2): e17067.
  • Pane, M.; Staccioli, S.; Messina, S.; d’Amico, A.; Pelliccioni, M.; Mazzone, E. S.; Cuttini, M.; Alfieri, P.; Battini, R.; Main, M.; Muntoni, F.; Bertini, E.; Villanova, M.; Mercuri, E. (2008). “Daily salbutamol in young patients with SMA type II”.
    Neuromuscular Disorders 18 (7): 536–540.