Esclerose Múltipla (EM) / Terapia de Células-Tronco

Encontre o melhor tratamento de células-tronco para Esclerose Múltipla (EM)
Global Stem Cells - Multiple Sclerosis

A Unique Access fornece acesso a um extenso protocolo de tratamento para Esclerose Múltipla (EM) que utiliza alta quantidade de células-tronco, extensiva reabilitação e muitas terapias de suporte e suplementos. Esta combinação eficaz das mais avançadas tecnologias médicas com medicina funcional tem ajudado pacientes a alcançar melhorias significativas.

Por que as Células-Tronco funcionam para Esclerose Múltipla (EM)?

Uma extensa pesquisa de vários organismos de pesquisa ao longo da última década levou à conclusão de que transplante de células-tronco é a modalidade de tratamento mais promissora não só para melhorar a condição e prevenir complicações secundárias, mas também para reverter os danos neurológicos.

Além disso, as células tronco regulam a resposta do sistema imunológico contra as células nervosas e liberam fatores de crescimento que promovem o crescimento celular, diferenciação, e estimulam as células-tronco do cérebro a acelerar o processo de recuperação.

Mecanismos

Pesquisa publicadas recentemente mostraram que o tratamento com células-tronco mesenquimais (CTM) são um potencial remédio para pacientes com esclerose múltipla (EM).

Os mecanismos de células-tronco mesenquimais (CTM) para a esclerose múltipla (EM) são baseados nos seguintes aspectos:
(1) As células tronco mesenquimais (CTMs) exercem as suas funções imunomoduladoras em diversas células imunológicas incluindo células T, células B, células NK e células dendríticas (CD). As células tronco mesenquimais (CTM) por um lado induzem a que célula  T periféricas tolere às proteínas da mielina, assim, reduzindo a migração de células T patogênicas para o sistema nervoso central e, por outro lado, regressam para o SNC onde preservam axônios e reduz a desmielinização.
(2) As células-tronco mesenquimais (CTMs) podem proteger os axônios e melhorar a sobrevivência neuronal, possivelmente através de efeitos anti-apoptóticos, efeitos anti-oxidantes, ou a liberação de fatores tróficos.
(3) As células-tronco mesenquimais (CTMs) podem induzir neurogênese endógena e oligodendrogenesis.
(4) As células-tronco mesenquimais (CTMs) podem diminuir a produção de citocinas pró-inflamatórias e quimiocinas.
(5) As células-tronco mesenquimais (CTMs) também parecem reduzir a formação de cicatrizes glióticas – gliosis representa um grande obstáculo à reparação espontânea.

Melhorias

Único Access fornece pacientes da esclerose múltipla (MS) o acesso aos tratamentos inovadores, utilizando a combinação de terapia com células-tronco, terapias de suporte e reabilitação. Eles têm mostrado sinais visíveis de melhorias do desenvolvimento motor e coordenação,  aumento da força e tônus muscular, melhora do equilíbrio e coordenação, visão, memória e cognição. Além disso, foi observada uma redução na progressão da doença após o tratamento.

Pacientes com Esclerose Múltipla (EM) tratados com células-tronco geralmente observam melhorias nas seguintes áreas:

  • Função motora
  • Sensibilidade
  • Equilíbrio
  • Coordenação
  • Dor Neuropática
  • Fadiga
  • Visão
  • Tremores
  • Controle da Bexiga e do Intestino e mais

Nossa Promessa

Acreditamos que sempre há uma esperança real e que os pacientes merecem ter acesso a um tratamento eficaz e seguro.

Somos independentes, com um departamento médico interno.

Combinamos o serviço de hospitais internacionalmente reconhecidos com tratamentos de última geração, produtos únicos e serviços que são integradores e eficazes para assegurar que o tratamento tenha o melhor resultado possível.

Sobre as Células Tronco que utilizamos, garantimos que o paciente receba a célula tronco correta e necessária no que diz respeito a qualidade, quantidade e viabilidade. Nosso parceiro exclusivo de pesquisas garante uma viabilidade celular de 95%, sendo que muitas injeções chegam a supreendente viabilidade de 98%-99%.

Garantimos que o paciente receba os medicamentos, terapias de apoio, reabilitação, desintoxicação e programas de aumento do sistema imunológico necessários para tirar o maior proveiro das células-tronco.

  • Oxigenoterapia hiperbárica (OTH)
  • Acupuntura
  • Terapia Aquática
  • Tratamento de Fisioterapia
  • Terapia Ocupacional
  • Estimulação Magnética Transcraniana (EMT)
  • Tratamento de Oxigenação
  • Gotas de Vitamina por Injeção Intravenosa
  • Suplementos que Aumentam o Sistema Imunológico (ex. GcMAF)
  • Planos de Dieta Especializados & Consultas

O tratamento será realizado em um hospital terceirizado reconhecido internacionalmente, e não em um hotel ou uma clínica. Isto é importante para a segurança e cuidado do paciente, já que o paciente terá acesso a todos os departamentos especializados e a todos os médicos especialistas, o que aumentará a eficácia de tratamento.

Os melhores tratamentos com células-tronco disponíveis via globalstemcells.com

Global Stem Cells - List of improvements

O que é a Esclerose Múltipla (EM)?

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica comum e uma das principais causas de deficiência, afetando particularmente os jovens adultos. É caracterizada por manchas de danos que ocorrem em todo o cérebro e na medula espinhal, com perda das bainhas de mielina – o material isolante em torno de fibras nervosas que permite a condução normal dos impulsos nervosos. A esclerose múltipla (EM) afeta mais de duois milhões de pessoas em todo o mundo e mostra uma clara tendência de género, com as mulheres sendo afetadas duas vezes mais que os homens.

A etiologia da Esclerose Múltipla (EM) ainda é desconhecida; pensa-se geralmente que a doença se desenvolve em indivíduos geneticamente suscetíveis como resultado de uma resposta auto-imune dirigida contra componentes da mielina. Considerou-se que um agente ou evento ambiental (vírus, bactérias, produtos químicos, a falta de exposição ao sol) atua em conjunto com uma predisposição genética específica para resultar na disfunção imunológica.

Maneiras com que a Esclerose Múltipla afeta o corpo

A esclerose múltipla (EM) afeta adultos, principalmente jovens e leva a um comprometimento físico e cognitivo grave. A esclerose múltipla (EM) segue um curso recorrente-remitente (RR) em 85% e um curso progressivo primário (PP) em 15% dos pacientes. Na maioria dos pacientes com RR, progressão secundária (PS) ocorre depois de um intervalo médio de 19 anos, com a persistência recidivas em 40% dos casos.

No geral, pacientes com Esclerose Múltipla (EM) perdem a capacidade de caminhar de forma independente em uma idade mediana de 63 anos, mas 1-3% dos pacientes sofrem da forma maligna da esclerose múltipla (EM) e chegam a este nível de deficiência em apenas algumas semanas ou meses. A Esclerose Múltipla (EM) também leva a distúrbios visuais, perda da sensação, fala e disfunção para engolir, intestino e incontinência urinária e disfunção eréctil.

Global Stem Cells - Multiple Sclerosis (MS) Infographic
  • Scolding N, Adult stem cells and multiple sclerosis.Cell Prolif.
    2011 Apr;44 Suppl 1:35-8.
  • Payne N, Siatskas C, Bernard CC. The promise of stem cell and regenerative therapies for multiple sclerosis. J Autoimmun.
    2008 Nov; 31(3):288-94.
  • Dyment DA, Willer CJ, Scott B, Armstrong H et al. Genetic susceptibility to MS: a second stage analysis in Canadian MS families.
    Neurogenetics. 2001 Jul; 3(3):145-51.
  • Confavreux C, Vukusic S. Age at disability milestones in multiple sclerosis.
    Brain. 2006 Mar;129(Pt 3):595-605.
  • Confavreux C, Vukusic S. Natural history of multiple sclerosis: a unifying concept.
    Brain. 2006 Mar;129(Pt 3):606-16.
  • Uccelli A, Benvenuto F, Laroni A, Giunti D.Neuroprotective features of mesenchymal stem cells.
    Best Pract Res Clin Haematol. 2011 Mar;24(1):59-64.
  • Connick P, Kolappan M, Patani R, et al.The mesenchymal stem cells in multiple sclerosis (MSCIMS) trial protocol and baseline cohort characteristics: an open-label pre-test: posttest study with blinded outcome assessments.
    Trials. 2011 Mar 2;12:62.
  • SKarussis D, Karageorgiou C, Vaknin-Dembinsky A, Gowda-Kurkalli B, Gomori JM, Kassis I, Bulte JW, Petrou P, Ben-Hur T, Abramsky O, Slavin S.afety and Immunological Effects of Mesenchymal Stem Cell Transplantation in Patients With Multiple Sclerosis and Amyotrophic Lateral Sclerosis.Arch Neurol.
    2010 Oct;67(10):1187-94.
  • Slavin S, Kurkalli BG, Karussis D.The potential use of adult stem cells for the treatment of multiple sclerosis and other neurodegenerative disorders.
    Clin Neurol Neurosurg. 2008 Nov;110(9):943-6.
  • Karussis D, Kassis I. The potential use of stem cells in multiple sclerosis: an overview of the preclinical experience.
    Clin Neurol Neurosurg. 2008 Nov; 110(9):889-96.
  • Uccelli A, Mancardi G. Stem cell transplantation in multiple sclerosis.
    Curr Opin Neurol. 2010 Jun; 23(3):218-25.
  • Payne N, Siatskas C, Bernard CC.The promise of stem cell and regenerative therapies for multiple sclerosis.
    J Autoimmun. 2008 Nov;31(3):288-94.
  • Gerdoni E, Gallo B, Casazza S, Musio S, Bonanni I, Pedemonte E, Mantegazza R, Frassoni F, Mancardi G, Pedotti R, Uccelli A.Mesenchymal stem cells effectively modulate pathogenic immune response in experimental autoimmune encephalomyelitis.
    Ann Neurol 2007; 61(3): 219–227.
  • Kassis I, Grigoriadis N, Gowda-Kurkalli B, Mizrachi-Kol R, Ben-Hur T, Slavin S, Abramsky O, Karussis D. Neuroprotection and immunomodulation with mesenchymal stem cells in chronic experimental autoimmune encephalomyelitis.
    Arch Neurol 2008; 65(6): 753–761.
  • Ward KA, Caulton JM, Adams JE. Perspective: Cerebral palsy as a model of bone development in the absence of postnatal mechanical factors. J Musculoskelet
    Neuronal Interact. 2006, 6(2):154-159
  • Bower E, Michell D, Burnett M, Campbell MJ, McLellan DL.Randomized controlled trial of physiotherapy in 56 children with cerebral palsy followed for 18 months.
    Dev Med Child Neurol .2001,43:4-15
  • Damiano DL.Activity, Activity, Activity: Rethinking Our Physical Therapy Approach to Cerebral Palsy. Phys Ther.
    2006 Nov;86(11):1534-40.
  • Harris DT.Cord blood stem cells: a review of potential neurological applications.
    Stem Cell Rev. 2008,4(4):269-74.