HNO - DSO / Terapia de Células-Tronco

Encontre o melhor tratamento de células-tronco para HNO - DSO
Global Stem Cells - ONH / SOD

Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO) e Displasia Septo Óptica (DSO) são duas das condições congênitas para as quais a Unique Access pode oferecer acesso ao inovador tratamento com células-tronco. Isto oferece novas possibilidades de cura além de opções de tratamento tradicionais.

Por que as Células-Tronco funcionam para Anomalias do Nervo Óptico (HNO/DSO)?

Diversos estudos sobre a eficácia do transplante de células-tronco foram realizados através da utilização de uma variedade de fontes de células, tais como cordão umbilical de células tronco do sangue (CT-SCU), de células tronco mesenquimais derivadas de sangue do cordão umbilical (CTM-SCU), e células tronco mesenquimatosas derivadas da medula óssea  (CTM-MO).

Mecanismos

As células tronco mesenquimais vem sido usadas para tratar HNO e DSO há cerca de 10 anos.

Estas células tronco podem melhorar a visão através dos seguintes mecanismos, com base nas suas diferentes características únicas:

(1) As células tronco mesenquimais (CTMs) têm a capacidade de se diferenciarem em células neuronais e segregam factores neurotróficos, tais como o fator neurotrófico derivado do cérebro (FNDC), fatores gliais neurotróficos derivado da linha celular (FGNDLC), que pode promover a diferenciação das células enxertadas em células neurais, inibir a apoptose, melhorar a angiogênese, suprimir um infiltrado inflamatório, e manter a sobrevivência das células enxertadas.

Estes mecanismos não só ajudam na preservação da visão, mas também ajudam a melhorar significativamente a visão perdida através da regeneração do nervo óptico e células ganglionares da retina.

Para fazer isso, as células tronco são injetadas por via IV, punção lombar e/ou injecção no espaço retrobulbar. Esta combinação resulta em cobrir as áreas afetadas de forma mais eficaz.

Melhorias

A maioria das pacientes com distúrbios do nervo óptico que a Unique Access tratou com células-tronco mesenquimais (CTM) apresentou boa melhora na acuidade visual, no campo visual, sensibilidade à luz, visão noturna, estrabismo e nistagmo. Além disso, também houve uma significativa redução na progressão da doença após o tratamento com células-tronco.

Pacientes com Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO) e Displasia Septo Óptica (DSO) tratados com células-tronco geralmente observam melhorias nas seguintes áreas:

  • Acuidade visual
  • Percepção de luz
  • Campo de visão
  • Visão noturna
  • Visão de Cor
  • Nistagmo

Nossa Promessa

Acreditamos que sempre há uma esperança real e que os pacientes merecem ter acesso a um tratamento eficaz e seguro. Somos independentes, com um departamento médico interno. Combinamos o serviço de hospitais internacionalmente reconhecidos com tratamentos de última geração, produtos únicos e serviços que são integradores e eficazes para assegurar que o tratamento tenha o melhor resultado possível.

Sobre as Células Tronco que utilizamos, garantimos que o paciente receba a célula tronco correta e necessária no que diz respeito a qualidade, quantidade e viabilidade. Nosso parceiro exclusivo de pesquisas garante uma viabilidade celular de 95%, sendo que muitas injeções chegam a supreendente viabilidade de 98%-99%.

Garantimos que o paciente receba os medicamentos, terapias de apoio, reabilitação, desintoxicação e programas de aumento do sistema imunológico necessários para tirar o maior proveiro das células-tronco.

  • Oxigenoterapia hiperbárica (OTH)
  • Acupuncture
  • Terapia Aquática
  • Tratamento de Fisioterapia
  • Terapia Ocupacional
  • Estimulação Magnética Transcraniana (EMT)
  • Tratamento de Oxigenação
  • Gotas de Vitamina por Injeção Intravenosa
  • Suplementos que Aumentam o Sistema Imunológico (ex. GcMAF)
  • Planos de Dieta Especializados & Consultas

O tratamento será realizado em um hospital terceirizado reconhecido internacionalmente, e não em um hotel ou uma clínica. Isto é importante para a segurança e cuidado do paciente, já que o paciente terá acesso a todos os departamentos especializados e a todos os médicos especialistas, o que aumentará a eficácia de tratamento.

Os melhores tratamentos com células-tronco disponíveis via globalstemcells.com

Global Stem Cells - List of improvements

Quais são as anomalias do Nervo Óptico mais comuns?

Existem diversas anomalias do nervo óptico congênitas ou adquiridas que levam a perda visual, podendo causar cegueira legal. A hipoplasia do nervo óptico é a anomalia do nervo óptico congênita mais comum e pode ocorrer tanto como uma anomalia do nervo óptico isolada ou em combinação com mesencéfalo e/ou anomalias da pituitária, onde este termo é coletivamente chamado de Displasia Septo-Óptica.

Neuropatia Óptica, também conhecido como Atrofia do Nervo Óptico, é outra causa comum de cegueira e é causada por fatores genéticos ou adquiridos. Por exemplo, Neuropatia Óptica Hereditária de Leber (NOHL) é uma forma genética de neuropatia óptica enquanto a Neurite Óptica Compressiva, Neuropatia Óptica,  Neuropatia Traumática Óptica,  Neuropatia Óptica Isquêmica são adquiridas. O glaucoma é uma outra causa principal de atrofia óptica, também considerada como sendo uma  adquirida, e estima-se que a segunda principal causa de cegueira no mundo.

Maneiras em que essas condições afetam o corpo

Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO) ocorre em 70% -80% dos casos e, geralmente, é a primeira apresentada, seguida por anormalidades hormonais. Outras anomalias oculares, tais como nistagmo e microftalmia também podem ocorrer. A Displasia Septo-Óptica (DSO), também conhecida como Síndrome de Morsier, é caracterizada por Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO), hipoplasia pituitária e anormalidades do mesencéfalo, tais como a ausência de septo pelúcido e agenesia do corpo caloso.

Déficit neurológico é comum variando de retardo global para déficits focais, tais como epilepsia ou hemiparesia. A Neuropatia Óptica Traumática, Neurite Óptica e Neuropatia Óptica Isquêmica também resultar em perda de visão, mas normalmente não estão associados a outras anomalias.

Qual é o procedimento da Injeção Retrobulbar?

Passo 1

O paciente encontra-se em posição deitada e em seguida 3% tintura de iodo e 75 % de álcool são cuidadosamente aplicados para desinfetar a pele a partir da margem da pálpebra inferior à borda orbital inferior, respectivamente.

Passo 2

Uma agulha canulada afiada é inserida verticalmente dois milímetros no quadrante entre o exterior 1/3, 2/3 dentro da borda orbital inferior (se a injeção é feita a partir do saco conjuntival, a pálpebra inferior é aberta puxando-a para baixo antes da injeção e, em seguida, o agulha é inserida no fundo do saco conjuntival, no mesmo local).

Step 3

A agulha é inserida no equador do globo ocular e, em seguida, dirigida para o local nasal superior até estar a cerca de 3 centímetros de profundidade. O operador precisa empurrar para trás a seringa para se certificar de que não há laceração dos vasos sanguíneos, retirar o estilete, deixando a cânula de plástico no lugar, e, em seguida, injetar as células-tronco no espaço retrobulbar.

Passo 4

Após a injeção, a cânula de plástico é delicadamente removida e, em seguida, o globo é comprimido com curativos desinfetados por alguns minutos para previnir hemorragia. O paciente permance com um tampão pelas próximas 24 horas para reduzir irritação.

Global Stem Cells - ONH / SOD
  • Borchert M, Garcia-Filion P. The syndrome of optic nerve hypoplasia. Curr Neurol Neurosci
    Rep.2008;8(5):395-403.
  • Roessmann U.Septo-optic dysplasia or de Morsier syndrome.
    J Clin Neuroophthalmol 1989; 9:156-159.
  • Oostra RJ, Bolhuis PA, Wijburg FA, Zorn-Ende G, Bleeker-Wagemakers EM. Leber’s hereditary optic neuropathy: correlations between mitochondrial genotype and visual outcome.
    J Med Genet.1994 ;31(4):280-6.
  • Arnold AC. Ischemic optic neuropathies. Ophthalmol
    Clin North Am. 2001; 14(1):83-98.
  • Quigley HA, Broman AT. The number of people with
    glaucoma worldwide in 2010 and 2020. Br J Ophthalmol.
    2006;90:635-649.
  • Brodsky MC, Glasier CM.Optic nerve hypoplasia. Clinical significance of associated central nervous system abnormalities on magnetic resonance imaging.
    Arch Ophthalmol.1993;111: 66–74.
  • Shammas NW, Brown JD, Foreman BW, Marutani DR, Maddela D, Tonner D. Septo optic dysplasia associated with polyendocrine dysfunction.
    J Med.1993;24:67-74.
  • Willnow S, Kiess W, Butenandt O, Dorr HG, Enders A, Strasser-Vogel B, Egger J, Schwarz HP. Endocrine disorders in septo-optic dysplasia (de Morsier syndrome)– evaluation and follow-up of 18 patients.
    Eur J Pediatr. 1996;155: 179-184.
  • Kelberman D, Dattani MT. Septo-optic dysplasia – novel insights into the aetiology.
    Horm Res. 2008;69(5):257-65.
  • Reeves DL.Congenital absence of the septum pellucidum.
    Bull Johns Hopkins Hosp. 1941; 69: 61-71.
  • Kuriyama M, Shigematsu Y, Konishi K, Konishi Y, Sudo M, Haruki S, Ito H.Septo-optic dysplasia with infantile spasms.
    Pediatr Neurol. 1988; 4:62-65.
  • Miller SP, Shevell MI, Patenaude Y, Poulin C, O’Gorman AM.Septo-optic dysplasia plus: a spectrum of malformations of cortical development.
    Neurology. 2000; 54: 1701-1703.
  • Boland MV, Quigley HA. Risk factors and open-angle glaucoma.Concepts and applications.
    J Glaucoma.2007; 16:406-418..